Histórico
 03/12/2006 a 09/12/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 21/05/2006 a 27/05/2006
 30/04/2006 a 06/05/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005


Categorias
Todas as mensagens
 Link


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 ESCUTE MINHAS MÚSICAS
 El Chiquito
 Greve Geral
 Maurício
 Jorge
 Hudson
 Maria Teresa
 Giovano
 Eric
 Annay
 Alex
 Cídio


 
Nada Rima
 

Overdose

 

 

Estava decidido

já havia tentado quatro vezes

e tudo que conseguira

era um insignificante coma

 

tinha desenvolvido uma droga

e queria testar seus limites

seu amigo médico estava

ao seu lado para a ressurreição

 

depois da décima segunda dose

tudo parecia claro como o paraíso

quando a escuridão tomou conta

sentiu que agora seria o fim

 

já não conseguia mais respirar

quando viu sua mulher

entrar na sala

e beijar seu amigo



Escrito por Ele mesmo às 20h07
[ ] [ envie esta mensagem ]



Okay!

 

 

Parecia mais um dia daqueles

acordou dez minutos atrasado

requentou o café

engoliu o pão francês

 

cumprimentou a todos

por quem passava dizendo

um “bom dia” sem vida

e desabava em sua cadeira

 

suspirava fundo ao ver

a pilha de papeis em sua mesa

o seu nome, Okay, seu pai deu em

homenagem aos filmes americanos

 

um envelope amarelo enfeitava

o teclado do seu computador

era uma carta anônima dizendo:

“você não existe!”

Escrito por Ele mesmo às 11h22
[ ] [ envie esta mensagem ]



Siamês

 

 

Seu casaco escuro

não dava conta do vento frio

que cortava aquela rua

mal iluminada e deserta

 

uma febre abatera-lhe

tremia. Desconfiava.

sentia o olhar de mais alguém. 

podia crer que sim

 

a gola alta cobria sua boca

tentou duas chaves, três.

até fechar o portão do prédio

suas unhas atrapalhavam

 

a velocidade de seus passos

denunciavam seu pânico

tirou a roupa em um beco

transformara-se em um gato

Escrito por Ele mesmo às 14h51
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]